Em Foco

Devocional de Sábado 21/08/21

Introspecção:

 

Texto base: “Mas dias virão em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão naqueles dias” (Marcos 2:20)

 

Estamos vivendo um clímax de consagração na vida e missão de nossa comunidade de fé e serviço. Cremos, à luz do Antigo e do Novo Testamento, que o povo de Deus sempre foi despertado pelos seus líderes espirituais a buscarem um tempo de qualidade com Deus. Jejum é uma disciplina espiritual. O próprio Jesus jejuou e disse que Seus discípulos jejuariam quando Ele fosse embora (Mateus 4:2; Marcos 2:20). O jejum tem poder de interferir em nosso espírito, alma e corpo. “Ele remove o entulho da carnalidade que, muitas vezes, deixa enterrada a nossa fé”. O jejum mortifica a carne para que aprendamos a ser guiados pelo Espírito, e não por nossos desejos meramente carnais. A prática da consagração aflige a nossa alma para que tenhamos maior domínio das nossas emoções e não sejamos dirigidos por elas. E libera a nossa fé, fortalecendo o nosso espírito e nos tornando mais sensíveis ao mundo espiritual.

O jejum não muda a Deus. Ele é o mesmo antes, durante e depois do período de jejum. Mas, quando jejuamos, passamos por mudanças significativas em nosso jeito de encarar a vida. Ele nos ajuda a nos tornarmos mais suscetíveis ao Espírito Santo e mais empático com as pessoas. O jejum não tornará Deus mais bondoso ou amoroso para conosco. Ele está ligado diretamente a nós, à nossa necessidade de romper com as barreiras e limitações de nossa carne. A práxis do jejum deixará nosso espírito despertado, pois mortifica a carne e aflige diretamente a nossa alma.

Todos os grandes homens e mulheres de Deus no passado tiveram uma vida intensa de oração e jejum. Por isso, somos desafiados a vivermos este tempo de forma fervorosa. Que Deus nos abençoe neste tempo. Junte-se a nós! Somos Igreja JUNTOS! Vem ser IGREJA com a gente, a IGREJA está ON!

Em Cristo,

Pr. Wesley Nascimento