Em Foco

Devocional Diário 12/09/21

Introspecção:

Texto  base: Salmo 100

 

Adorar transcende em muito o cantar. Cantar louvores está dentro do adorar. Assim como o dançar na presença do Senhor, o salmodiar com instrumentos de todas as formas, o bater palmas, e tantas outras manifestações ritmadas que expressam nossa alegria em estar na presença do Deus vivo. Porém, adorar a Deus compreende outras atitudes que, embora sejam menos externalizadas, são mais internas em nossa alma. Adorar envolve entrega total, de corpo, alma e espírito, Àquele que é o único digno de receber adoração. É buscar incessantemente do Seu íntimo a sensação de êxtase que só ocorrerá ao encontrar com o eterno Deus. E, quando este encontro acontece, da alma do adorador com o Deus vivo, há uma efusão de sentimentos que estão além da emoção; transcende a alegria, supera o regozijo.

É como se nossa alma encontrasse seu destino final, o lugar de descanso, o porto seguro. A busca deste contexto único em nossa prática devocional, o adorar, abre nosso coração, nossa alma, nosso espírito, a receber mais e mais do Espírito Santo de Deus. No processo, há cura, libertação, derramamento de dons. Até os simples espectadores desta fusão espiritual são atingidos poderosamente, e daí, entre estes, ocorre conversão, conhecimento de Deus.

O Salmo 100, por exemplo, nos convoca a celebrar de forma extravagante este encontro de nossas almas com o Deus Pai, o criador. Davi, um adorador por excelência, era muitas coisas, como já abordado em devocionais anteriores. Mas, o que ele tinha mais gozo em fazer, o que mais o completava como ser vivente, não consistia em reinar sobre Israel, nem vencer as muitas batalhas das quais participou, ou mesmo construir palácios ou até um templo. O lugar onde o rei Davi encontrava paz, segurança, sossego, felicidade, era o lugar da adoração. E, Davi conclamava todo seu reino a esta experiência permanente, a este estilo de vida, que poderíamos chamar de “Adoração Extravagante”.