Em Foco

Devocional Diário 13/09/21

Introspecção:

Texto base: Romanos 11:25-36

 

Lembrança: No último dia 11, nos lembramos dos terríveis acontecimentos de 11/09/2001, há 20 anos, que nos tornaram dolorosamente conscientes de que as amargas divisões em nosso mundo têm resultados horríveis. É um bom dia para refletir sobre o resumo de Paulo sobre a visão de Deus do mundo. “Porque Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia” (Rm 11:32). Deixados por nossa própria conta, tendemos a ver o mundo de forma dividida, “nós e eles”. Mas Deus vê uma família humana, oferece misericórdia a cada um dos filhos/as terrestres de Deus e anseia que aceitemos essa oferta. É por isso que Paulo encerrou com um grande hino de louvor: “Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!”(Rm 11:33). Que a glória seja Dele para sempre! Amém!

A Epístola aos Romanos, nesta semana, deve nos ajudar a ver porque não funciona ler apenas fragmentos da Bíblia e ter uma conclusão independente. N.T Wright apontou: “A questão: como Deus está salvando todo o seu povo, tanto judeus quanto gentios? Como ‘todo o Israel’ será salvo (versículo 26)? Muitas pessoas acham isso intrigante. Certamente, eles dizem, ‘todo Israel’ deve significar ‘todos os judeus’ – ou todos os judeus que já viveram, ou todos os judeus crentes, ou todos os judeus vivos no momento da salvação final. Mas o próprio Paulo indicou o contrário. ” E William Barclay escreveu: “Paulo argumenta que há mais no judaísmo do que a descendência de Abraão, que o povo escolhido não era simplesmente a soma total de todos os descendentes físicos de Abraão”. O versículo 32 voltou ao que Paulo escreveu em Romanos 3:23, agora aplicado de forma mais completa à tensão entre cristãos judeus e gentios. Frequentemente, queremos que uma análise complexa termine com um “resumo executivo” limpo e simples. Paulo não fez isso no final de Romanos 11. Em vez disso, no versículo 35, ele citou a resposta confiante de Jó 41 aos mistérios de Deus.

Os estudiosos Michael Gorman e William Barclay destacaram os versos finais de Paulo: “Paulo, agora, conclui sua dolorosa luta contra a descrença judaica no evangelho, nas escrituras e na fidelidade de Deus, escrevendo um hino de louvor à misteriosa misericórdia de Deus.” Aqui, a teologia se transforma em poesia. Aqui, a busca da mente se volta para a adoração do coração. A adoração extravagante é aquela que busca a UNIDADE  a todo o custo. No final, tudo deve passar por um mistério que o homem não pode agora entender, mas em cujo coração está o amor.

Paulo tinha lutado com um problema doloroso… Ele não diz que o resolveu, como alguém poderia resolver nitidamente um problema geométrico. Mas, ele diz que, tendo feito o seu melhor, ele se contenta em deixar isso para o amor, graça e poder de Deus. O que o ajuda a responder a algumas das perguntas mais difíceis da vida com hinos ou poesia que expressam confiança no amor e no poder de Deus?

Em Cristo,

Pr. Wesley Soares do Nascimento