Em Foco

Devocional Diário 16/09/21

Introspecção:

Texto base: Lucas 1.46-56

 

“A minha alma engrandece ao Senhor” (Lc 1:46). Assim começa o cântico de Maria chamado “Magnificat” que, em latim, significa “engrandece”. A ênfase desse cântico está na grandeza do Senhor. Nele, Maria exalta a soberania de Deus e reconhece sua condição de alguém carente da ação divina. A magnificência de Deus é o assunto principal. Portanto, a ênfase não está no adorador, mas no Ser que é adorado.

Por meio da leitura desse cântico, torna-se evidente que Maria compreendia que estava esperando o Filho de Deus, cuja missão era salvar o mundo de seus pecados. Essa passagem reforça a afirmação de que “não há adoração verdadeira sem conhecimento verdadeiro de quem é Deus e do que Ele faz”. Maria adora a Deus com todo seu ser, de forma extravagante.

O cântico é uma exaltação a Deus. Maria começa dizendo que sua alma engrandece ao Senhor e o seu espírito se alegra em Deus, seu Salvador. Nesse contexto, engrandecer significa “fazer conhecido”, “glorificar” e “proclamar” a grandeza do Senhor. Isso se torna claro quando Maria se dirige a Deus como seu “Salvador”.  As palavras “alma” e “espírito” descrevem a profundidade do que ela está sentindo. Todo e qualquer serviço de adoração a Deus deve ser prestado em sua totalidade; deve ser um ato voluntário, profundo e reverente ao Senhor. A adoração verdadeira não nasce apenas de lábios, mas também de um profundo sentimento de reverência pela salvação ministrada por Deus por intermédio do sacrifício de Jesus.

O que move a adoração de Maria não são meras conquistas materiais ou curas miraculosas, mas a misericórdia e a bondade do Senhor, que concedeu tão grande honra a uma “serva” (v.48). Por isso, seu espirito não quer calar-se. A verdade de que Deus está operando salvação por meio de alguém que precisa de salvação deixa Maria perplexa.

Nos versos 51 a 53, temos uma sequência de seis versos com relação ao mover de Deus (agiu, dispersou, derribou, exaltou, encheu e despediu) que parecem sugerir que Maria está se lembrando de ocasiões especificas em que Deus fez coisas grandiosas no passado. Por causa da certeza do que Deus fez no passado, podemos confiar que Ele continuará agindo poderosamente no presente e futuro.

Na última parte de seu cântico, Maria fala sobre a ajuda que Deus deu ao seu povo. Maria entoa um cântico cujo foco central está em Deus e em suas obras; na misericórdia divina, na ajuda prestada a seu povo no decorrer da História e, principalmente, com a manifestação do Messias. Maria passa da gratidão pessoal para o reconhecimento da bondade de Deus para com o povo. Esse cântico revela a ação divina coletiva.

O cântico de Maria louva a Deus pelo que Ele é. Que lição para todos nós! Nossa adoração não pode ser completa sem a correta compreensão da misericórdia de Deus. Entender que Deus é misericordioso é fundamental na vida cristã. O ser humano estava morto em seus “delitos e pecados” (Ef. 2:1), mas, mesmo assim, o Senhor nos chamou, libertou e salvou. Fez-nos assentar nos lugares celestiais (Ef 2:6) e isso é pura misericórdia!

Pastora Joseane Goese