Em Foco

Devocional Diário 17/10/21

Introspecção:

Texto  base: Êxodo 3:2

 

O ministério messiânico de Moisés começa na adoração. Antes de receber o poder dado por Deus para operar sinais e maravilhas, Moisés é chamado ao topo do monte e, de fronte à sarça que ardia sem ser consumida, ele contempla a face de Deus que a ele revela-se. Ali, como uma brasa viva no altar do Senhor, Moisés é queimado por dentro e por fora. Nesta ação do Espírito Santo sobre sua vida, Moisés é transformado de operário das coisas terrenas a operário das coisas de Deus. Quando adoramos ao nosso Deus, todas as nossas características humanas passam também por um processo de aprimoramento, e se temos talentos naturais, estes, agora aprimorados, tornam-se talentos a serem apresentados como instrumento para uso na obra do Senhor.

O cajado de Moisés, até aquele instante usado para tocar o rebanho de ovelhas de seu sogro, agora fora forjado como instrumento de guerra contra as obras do maligno. E, instrumento de ministração da paz, do Shalon de Deus, quando usado para operar sinais e prodígios em nome dAquele que o enviou.

Nós, adoradores do Senhor nosso Deus, também como brasas vivas em Seu altar, sob a ação contínua do Espírito Santo que desceu sobre a Sua Igreja, também gozamos desta dádiva, a saber, da capacitação com dons espirituais, outorgada a todo aquele que adora ao Senhor em espírito e em verdade. E, semelhante a Moisés, uma vez capacitados pelo Espírito da Verdade, nos tornamos instrumentos do Deus vivo para, em nome de Jesus, operar sinais e maravilhas que apontem para o Deus da criação, o Deus da Salvação, nosso Deus Pai.

Aproveitemos estes momentos finais do 22° Sela para nos apresentar ao altar do Deus vivo, como brasas vivas, e permitamos que o Espírito Santo de Deus venha nos forjar como vasos de honra para Sua obra.

Pr. Marcos Ferreira