Em Foco

Devocional Diário 24/09/21

Introspecção:

Texto base: João 4:19-24

 

Temos falado a cada manhã sobre adoração extravagante. O/a adorador/a extravagante tem um coração maleável, um coração contrito, que se deixa moldar pelo nosso Deus. A adoração extravagante vai além do louvar na igreja, vai além de dar oferta na hora do ofertório. Adoração é vida que reconhece quem é Deus em todo o momento e em qualquer circunstância.

Precisamos nos atentar, porque, assim como existe o/a adorador/a extravagante, existem também aqueles/as que são como o fariseu Simão, que vivia na sua religiosidade extravagante. O fato é que a adoração extravagante e a religiosidade extravagante existem há muito tempo. A religiosidade nos impede de ser um/a adorador /a extravagante. A boa notícia é que adoração extravagante sobrepõe toda religiosidade.

Na bíblia, vemos vários exemplos de pessoas que adoraram a Deus com extravagância. Podemos citar alguns aqui, como: A mulher que ungiu a Jesus, Noé, Abraão, Davi, Paulo e Silas.

A mulher que ungiu a Jesus chegou com humildade, sinceridade, e reconheceu que Jesus precisava ser honrado e adorado naquele jantar, e ofereceu seu melhor. Jesus não repreendeu a mulher, mas aceitou a sua adoração extravagante. Por outro lado, repreendeu o fariseu.

O fariseu era um religioso extravagante, orgulhoso, se achava superior e espiritual demais; não gostava de se expor e de se expressar na presença de Jesus. Condenava a adoração da mulher, por mais “correta” que parecesse. Ele queria discutir sobre coisas pequenas, mas se esquecia da essência da adoração.

A adoração sincera sempre será aceita por Jesus, mas a religiosidade é abominável aos olhos do Senhor. Adoração nos faz receber o perdão de Jesus, enquanto a religiosidade e a religiosidade nos faz receber a repreensão.

Falando de Noé, podemos perceber que, quando ele saiu da arca, fez um altar de adoração ao Senhor (Gênesis 8:20 – Noé construiu um altar dedicado ao Senhor e, tomando alguns animais e aves puros, ofereceu-os como holocausto). Deus aceitou a adoração de Noé. A sua atitude foi sincera e, devido à sua adoração extravagante, Deus fez um conserto com Noé e seus filhos.

Deus estabelece aliança conosco quando adoramos em espírito e verdade. Foi assim com Noé e será assim conosco quando nossa adoração for sinônimo de obediência.

Falando sobre Abraão, temos que, desde o seu chamado até o fim de sua vida, ele adorou a Deus com muita fé. Quando Deus pediu o seu único filho, Isaque, Abraão poderia ter questionado a Deus sobre a razão de um pedido que causaria tanta dor. Mas, Abraão obedeceu, pois tinha FÉ de que, mesmo sacrificando o seu filho, Deus faria dele uma grande nação. O que ele fez foi extravagante, e Deus, vendo que Abraão, pela fé, havia colocado aquilo que ele mais amava no altar de sacrifício, mandou Abraão parar, e providenciou um cordeiro para o sacrifício (Gênesis 22:12-14).

Um/a adorador/a extravagante mantém sua fé na certeza de que “DEUS PROVÉRÁ”, mesmo se a situação não estiver favorável.

Falando de Davi, lemos em I Crônicas 21:18-26 que, quando Davi compra o terreno do templo, e Ornã oferece o terreno de graça, Davi não aceita, pois não queria oferecer holocausto que não lhe custasse nada. Adoração extravagante me leva a oferecer algo que tenha valor, e o Senhor recebe.

Falando de Paulo e Silas, que foram adoradores extravagantes em tempos difíceis, em meio à prisão, percebemos que eles tinham plena confiança de que só o Senhor poderia livrá-los da prisão. Mesmo depois de açoitados, eles adoram ao senhor. E, perto da meia noite, veio um terrível terremoto que abalou o alicerce da prisão e todas as portas foram abertas, e Deus os libertou de forma grandiosa.

CONCLUSÂO: Precisamos ser adoradores/as extravagantes, e não religiosos. Precisamos oferecer a Deus algo de valor, como a mulher ofereceu o unguento precioso; como Davi, Abraão e Noé, em obediência; como Paulo e Silas, mesmo em meio a sofrimento. Precisamos adorar com humildade, sinceridade reconhecimento de quem Deus é. E, o nosso Deus receberá e se alegrará com a nossa adoração a Ele.

Oração:

Senhor Jesus, não permita que vivamos na religiosidade, mas, em adoração extravagante a Ti. Em nome de Jesus amém.

Pastora Rosemary Barbosa