Em Foco

Devocional Diário 25/10/2021

Introspecção:

Texto base: Mateus 21:17-22

 

A Igreja não é um prédio com um lindo altar, muito menos um clube para a gente se encontrar. Somos, juntos, a família de Deus na face da terra. Esta família é abençoada, próspera e, consequentemente, frutífera. Apenas 5% dos crentes ao redor do mundo estão preocupados com a vida e missão da Igreja. E, quando falamos “Igreja”, não estamos falando de burocracia, do CNPJ, da denominação, mas sim do Corpo vivo de Jesus Cristo.

Jesus encontra-se, neste momento, procurando frutos na figueira. Neste relato bíblico, Ele estava próximo à Jerusalém, na última semana de Seu ministério público ao povo. A figueira simbolizava a nação de ISRAEL (Jr 8:13; Os 9:10,16; Lc 13:6-9). A vida religiosa em Israel era cheia de folhas, aparência; mas, não havia práxis de fé que resultasse em atos de piedade e misericórdia.

  1. SOMOS COMO ÁRVORES NA BEIRA DO CAMINHO

A expressão do grego “Karpos” (frutos) é produto da vida com Deus. A presença de folhas geralmente indica a vitalidade da árvore. No mundo antigo, era comum plantarem figueiras à beira das estradas. O figo era uma fruta comum, muito apreciada e serviria para matar a fome daqueles que passassem por aquelas localidades.

O papel da Igreja de Cristo é alimentar aqueles/as que passam pelas estradas da vida sem discernir o genuíno caminho. O caminho é Jesus, e Ele é agraciado com as árvores de vida. Não estamos aqui em Juiz de Fora para enfeitar o centro da cidade. Estamos aqui para alimentarmos vidas com os frutos de nossa vida, a qual está conectada, ligada ao trono da graça de Deus.

  1. DEUS REQUER DE NÓS FRUTOS

Eram esperados frutos daquela árvore. Porém, ela fora um ludíbrio, um espírito de engano. Hoje, Jesus está passando no meio da sua lavoura, pois a palavra nos diz: “Porquanto nós somos colaboradores de Deus; vós sois a lavoura de Deus e edifício de Deus” (I Co 3:9).

Aqui, vemos o poder da Palavra de Cristo: “Nunca mais nasça fruto em ti” (Mt 21:19). Você e eu, nós, como família de Deus, somos vocacionados pelo Espírito Santo para a frutificação. Que haja fruto em ti! Eu profetizo, em nome de Jesus Cristo! (Lc 3:9). É tempo de frutificação. Somos árvores plantadas na Casa de Deus! Estamos juntos aos ribeiros das águas. Por isso, temos folhas, graça, aparência, virtudes, santidade, mas também temos FRUTOS.

  1. NOSSO DEUS É DEUS DE MILAGRES

Quando o ser humano visualiza o sobrenatural, fica estupefato. “[…] como é que imediatamente secou a figueira?” (Mt 21:20). Segundo o conceito de Orígenes, Crisóstomo e outros pais da Igreja, a figueira infrutífera significa a fé em Israel. Jesus, de forma didática, utilizou a figura daquela árvore atrativa para falar sobre a fé de Seu tempo. Aquela árvore, como o templo de Jerusalém, zombava do viajante faminto. Assim, Ele nos ensina que a verdadeira nutrição não vem do sacerdócio coberto de paramentos, títulos, mas infrutífero. É significativo entender que Adão procurou usar folhas da figueira para encobrir sua nudez, após ter cedido à tentação; assim, ofereceu aparência diante de Deus. Mas, Deus não quer aparência, e sim frutificação.

A fé gerada por intermédio de uma vida de oração e temor a Deus gera o sobrenatural. Por isso, cremos que Deus está ministrando um tempo poderoso de frutificação à nossa realidade. Não fique parado! Movimente-se, pois você prospera na unção que você honra.

CONCLUSÃO

  1. Somos árvores na beira do caminho; porém, estamos cheios de frutos para a glória de Deus;
  2. Você é desafiado, neste segundo semestre, a ganhar pelo menos uma vida para Jesus Cristo. Você é frutífero, em nome de Jesus Cristo.
  3. Experimente os milagres de Deus por intermédio de uma vida de oração movimentada pela fé no sobrenatural.

“A maior preocupação do diabo é afastar os cristãos da oração. Ele não teme os estudos, nem o trabalho e nem a religião daqueles que não oram. Ele ri de nossa labuta, zomba de nossa sabedoria, mas treme quando nós oramos” (Samuel Chadwick).

Pr. Wesley Nascimento