Em Foco

Devocional Diário 30/08/21

Introspecção:

 

Paulo usou muitas analogias para transmitir as realidades do Reino de Deus. Nessa passagem, ele usou outra imagem, ainda mais surpreendente hoje do que em sua época: a escravidão. Ele contrastou vividamente “escravos do pecado” e “escravos de Deus”. Falou de forma direta às pessoas que pensavam que a graça de Deus significava mera libertinagem: “Estando em Cristo posso fazer o que eu quiser!”. Dentro da concepção do apóstolo Paulo, isso seria, no mínimo, zombar dos ensinamentos de Cristo. “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde? De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele? Ele não significa que a escravidão a Deus é sombria, como ser humanamente escravizado”. As regras e diretrizes para a vida cristã não existem porque Deus gosta de esmagar as pessoas em uma forma particular, sendo ou não bom para elas. O Evangelho não nos trata como marionetes nas mãos de um ventríloquo. As regras existem porque você deve entregar o seu caminho, o seu destinos, os seus propósitos ao Senhor (SI 37:4-5).

No final das contas, uma estrada desconhecida levará você não apenas a um beco sem saída, mas também pode levá-lo a um abismo. A estrada que é Jesus te levará a uma vida em plenitude. Escolher Jesus como Salvador muda sua vida, mas para melhor. Assim como o salário do pecado é a morte; separação de Deus, agora e para sempre, quando vivemos em Cristo, a vida eterna abundante é um presente gracioso de Deus em Cristo (ver também Romanos 4:4-5):
Normalmente, não pensamos ou falamos muito sobre a escravidão (embora, segundo algumas estimativas, haja até 27 milhões de escravos ainda em nossos dias, infelizmente!). A figura de linguagem utilizada por Paulo pode nos incomodar. Mas, o pecado, disse ele, acaba transformando todos os que se submetem a ele em escravos, infelizes na terra e condenados na eternidade. Que ações, sentimentos ou pensamentos prejudiciais têm lhe mantido no cativeiro do pecado? NT Wright também escreveu: “Há um grande desafio para os cristãos em todas as idades e gerações, não menos importante para aqueles que chegaram à fé quando adultos.

Pense nas maneiras como, em sua vida anterior ao conhecimento de Cristo, você empregou energia para conquistar coisas transitórias e efêmeras que desagradaram à Deus. Você está usando a mesma energia, criatividade e iniciativa para trabalhar pelo Reino de Deus, em estender os propósitos de sua aliança no mundo?” Como o amor de Jesus o libertou para responder a essa pergunta de forma sensata e honesta?

Oração:

Deus, eu escolho a Ti para ser aquele a quem obedeço, aquele que molda minha vida. Liberte-me de pensamentos e ações prejudiciais que me escravizaram e faça da minha vida um posto avançado do Teu amor. Oro em nome de Jesus e no poder do Espírito Santo. Amém.

Pr. Wesley Soares do Nascimento