Em Foco

Guia para Células 07/10/21

Introspecção:

Texto base: João 4:39

 

“Muitos samaritanos daquela cidade creram nele por causa do seguinte testemunho dado pela mulher: ‘Ele me disse tudo o que tenho feito’” (João 4:39).

Quais são os resultados da adoração? De que forma esses resultados se manifestam na vida do adorador? Essas perguntas devem ser discutidas, pois o modelo contemporâneo de culto e adoração têm sofrido mudanças e, em muitos casos, tais mudanças não têm contribuído para o bem da Igreja.

As pessoas querem avidamente alegria, mas, o comprometimento com a obra tornou-se algo secundário. Precisamos ter cuidado para nãos nos tornarmos uma igreja egocêntrica, cujos membros apenas se preocupam com eles mesmos. Deus é o foco, e não nós.

Muitos cristãos acreditam que Deus é uma espécie de empregado, alguém que deve cumprir todas as vontades, as ordens e os desejos dos seres humanos. Pensam que, se forem fiéis, Deus terá que fazer o que desejam.

Vejamos o que aconteceu na vida da mulher samaritana. Quando Jesus quis ensinar-lhe sobre adoração, Ele tocou no ponto mais vulnerável daquela mulher: o pecado (Jo 4:17-18). O pecado nos impede de adorarmos e de vivermos os resultados da adoração. João 3:20 afirma que, quando mantemos nossos pecados escondidos, eles nos impendem de chegar perto da luz de Cristo.

O primeiro grande resultado da adoração é a mudança de vida do adorador. Não há como sermos adoradores genuínos e continuarmos no pecado. Quando adoramos, somos purificados à medida que contemplamos a glória de Deus e percebemos como somos pequenos e pecadores diante de um Deus tão santo e puro.

No momento em que nos entregamos a Deus com arrependimento e temor, somos limpos, e Deus age em nosso favor na adoração. Foi o que aconteceu com Isaías. Ele reconheceu sua situação e disse: “Ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros […]” (Is 6:5). Porém, Deus promoveu perdão, purificação e limpeza: “Com a brasa tocou a minha boca e disse: Eis que ela tocou os teus lábios; a tua iniquidade foi tirada, e perdoado, o teu pecado” (Is. 6:7).

Após ser limpo dos pecados, o profeta Isaías compreendeu que só uma pessoa arrependida e purificada pode ter ousadia de proclamar a salvação oferecida por Jesus Cristo. Quando ouviu a voz do Senhor, colocou-se à disposição do Rei. Quem adora de verdade está disposto a ouvir o chamado divino e obedecer com amor e alegria. Isaías falou: “Eis-me aqui, envia-me a mim”, (Is. 6:8). Assim, foi comissionado para profetizar sobre o pecado de Israel. A adoração envolve ação. Não há adoração verdadeira sem testemunho de Cristo. O encontro com o Senhor permite que tenhamos um testemunho a anunciar.

Portanto, o verdadeiro adorador tem o que dizer sobre o poder de Deus em sua própria vida. Deus nos transforma e nos faz adoradores com o propósito de que o conheçamos e o tornemos conhecido. Adorar a Deus é um prazer fantástico, mas a adoração estará incompleta enquanto o adorador não abrir a boca para proclamar as maravilhas do Senhor em sua própria vida. A adoração leva os homens a Deus, e o adorador leva Deus aos homens.

Oração: Senhor nosso Deus, eu me arrependo dos meus maus caminhos e quero a cada dia Te adorar através das minhas ações. Que a minha alma e o meu coração tenham prazer em falar de Cristo. Amém.

Pastora Joseane Goese